Poema da Flor Distante

Guria...
fronteira do olhar castanho,
o mundo é do teu tamanho
se me encontro nos teus braços.
Tua mirada, um laço
de seis tentos bem trançado,
que me peala pra o teu lado
quando mateio sonhando!

Prenda...
como amarga meu viver,
a falta do bem querer,
do toque do teu carinho,
- aprendi que ser sozinho
é ter um céu pra brilhar,
é ter sorriso pra dar
mas nem sempre é ter alguém!

Mulher...
pra te falar a verdade
eu perdi uma metade
no dia em que tu partistes,
aprendi que um homem triste
pra os outros, é um contrariado,
pelo silêncio guardado
entre o semblante e a alma!

Morena... 
vou te contar meus segredos,
que escapam pelos dedos
na guitarra que ponteio,
escuta esse meu anseio
bota tento no que digo,
e deixa eu estar contigo
ao menos numa lembrança!

Amante...
de ouvir este cantador,
falando coisas de amor
em notas tristes e longas,
de encarnar nas milongas
meus versos simples de campo,
pra contar do meu encanto
de viver aqui no sul!

Linda...
das matas e das aguadas
das estrelas pipocadas
num horizonte de luto,
vai castigando a lo bruto
a vida deste torena,
que eu longe da morena
sou rio que perdeu o rumo!

Florzita...
das invernadas compridas,
das taperas esquecidas
dos galhos e dos portais...
- destas dos banhadais
que encanta pelo lume,
dando as águas o perfume
pra contrapor os espinhos!

Pequena...
do sorriso despachado,
dos beijos encabulados
que eram meus naquelas noites,
dos cabelos num açoite
recostando no meu peito,
qual o sol indo pro leito
enquanto o dia se finda!

Parceira...
daqueles causos compridos,
contados ao pé do ouvido
quando o sono era ausente.
- Doce ilusão, a da gente
bombeando a lua no espaço,
querendo ter um pedaço
para enfeitar nosso rancho!

Companheira...
tu és o que eu mereço,
e por tal eu pago o preço
sem teu norte, teu motivo.
Por isso que sem abrigo
vou buscando compostura,
ao lembrar tua figura
num retrato de nós dois!

Paysana...
quem me ouve reclamando,
pode até ir pensando
que só tristezas carrego.
Venho judiado, não nego
mas guardo recuerdos lindos,
momentos raros, infindos
que são em mim, tua presença!

Amiga...
aqui te espero nas casas...
se meu amor fosse asas,
eu ia aí te buscar...
- mas saiba, nos sonhos meus
tu és presença constante
igual uma estrela amante
no céu pleno do nosso amor!...


Marcio Nunes Corrêa

Esta poesia ainda não possui comentário. Clique aqui para ser o primeiro a comentar.

Não quer ficar
no campo?
Voe para a cidade.



Marcio Nunes Corrêa - Vida no Campo: Querência | Raízes | Vivências | Regalos | Retratos | As novas | Opinando... | Versos | Campo lindeiro | Marcas | Chasque
Marcio Nunes Corrêa - Vida na Cidade: Home | Quem sou | Atividade Profissional | Fotos | Notícias | Crônicas | Poesias | Palavra dos amigos | Contato

Todos os direitos reservados | Marcio Nunes Corrêa