> Poesias

Payada de 96

E o tempo passou ligeiro...
parece que até faz pouco, que nós juntos, inda potros
iniciamos a função.
E desta baita junção
firmou-se uma amizade
que depois da faculdade
segue sem solavancos
e em nossos cabelos brancos
segue luzindo em saudade.

E foi nessa primavera
que a indiada se reuniu,
e um ou outro que sumiu
saltou logo de primeira
pra casa do Marcos Vieira
pra tomá um chope gelado,
pra um carreteiro ajeitado
que o Witis fez pacholeando, enquanto os demais cantando
faziam mais um assado.

E eu não fui de corpo inteiro
só mandei meu coração, 
Pois lembrar deu emoção
e aticei cá do Rio Grande, que fosse pra Campo Grande
levando meu sentimento, 
é que eu tinha um casamento
mas pra o ano nada ataca,
vou me folgar da guaiaca
e vou pra este ajuntamento.





Esta poesia possui 14 comentário(s). Clique aqui para visualizar e comentar.

Não quer ficar na cidade? Voe para o campo.

Payada de 96, 23.10.2013

Aniversário 11 anos NUPEEC, 02.08.2013

Silêncio no meio-fio, 06.05.2012

A morena e o infinito, 18.08.2005

Para lembrar de nós, 07.10.2004

Romance da Despedida, 16.08.1996


Vida no Campo: Querência | Raízes | Vivências | Regalos | Retratos | As novas | Opinando... | Versos | Campo lindeiro | Marcas | Chasque
Vida na Cidade: Home | Quem sou | Atividade Profissional | Fotos | Notícias | Crônicas | Poesias | Palavra dos amigos | Contato

Todos os direitos reservados | Marcio Nunes Corrêa